[Resenha] Diário de um ladrão de oxigênio - Anônimo

13:00

Anônimo

Editora: Intrínseca 
Páginas: 160
Tradução: Alexandre Martins

          Diário de um ladrão de oxigênio é a confissão de um homem paranoico, dependente de álcool, drogas e de abusar emocionalmente de suas parceiras que um dia leva o troco — imagine que Holden Caulfield vive embriagado e Lolita é uma assistente de fotografia e que, de alguma forma, eles se encontram em Nova York: Uma Cidade em Delírio.         Com um texto direto, engraçado e extremamente realista, o narrador anônimo que divaga sobre a própria tragédia em busca de expiação fala na verdade de qualquer um de nós, de tudo o que fazemos e a que nos sujeitamos para suprir vazios que nem mesmo entendemos. Quem já que viveu um relacionamento conhece pelo menos um lado desse jogo.
      Considerado um F. Scott Fitzgerald para a geração iPad, o autor, presume-se, tem origem britânica e publicou por conta própria seu livro em Amsterdã, onde morava à época. Com os pedidos das livrarias da capital holandesa aumentando cada vez mais, ele começou a levar exemplares a estabelecimentos de outras cidades, como a Shakespeare & Co, em Paris. Após se mudar para Nova York e encorajado pelo sucesso do livro na Europa, bancou uma tiragem de mais 5 mil exemplares. Logo começou a receber grandes pedidos da Amazon. Quem ele é, porém, e sobretudo quem foram suas mulheres, permanecem uma incógnita.


"Eu gostava de machucar garotas
Mentalmente, não fisicamente[...]
A questão é que aquilo me excitava,
Eu sentia prazer de verdade.
É com quando você ouve um serial killer dizer
que não se arrepende, que não sente remorso
por todas as pessoas que matou.
Eu era assim. Adorava"

          O livro começa assim, deixando claro que a história que vamos ler não é um romance ou um conto de fadas. Um livro escrito em anonimato por um cara totalmente paranoico... e machucado. Sua escrita é sempre franca, sincera e irônica, o que chega a tornar a leitura um pouco engraçada, apesar das circunstâncias incomuns apresentadas por ele.
          O motivo de escrever sua história? Uma forma de terapia. Não podendo confiar em ninguém, o autor decide escrever sua trajetória de vida, como forma de desabafo e para colocar, de vez, um ponto final em seu passado.
          Então ele começa falando do seu enorme problema com álcool. Ele era alcoólatra e afirma que era apenas por isso que amava abusar emocionalmente de suas parceiras.
          Até que chega o momento que ele decide mudar.
          Ele estava tão cansado de tudo.
          E muda.
          Frequenta regularmente reuniões dos AA e fica bem longe de qualquer mulher.
          Mas as coisas mudam, tudo aquilo que vai um dia volta até você.
          E a vida coloca em seu caminho uma mulher, que ama um jogo que ele conhecia tão bem... a arte de destruir corações.



           Nem tudo relatado no livro é agradável de se ler, um misto de humor irônico com tristeza e perversidade. Um homem vazio compartilhando aquilo que mais tem e entende: a dor.
Como o narrador/autor mesmo reconhece: "Agora entendo que estava sofrendo e queria que os outros também sentissem isso. Era minha forma de me comunicar".
          O ideal para a boa leitura de um livro tão íntimo é que o leitor se livre de qualquer julgamento. Ler e absorver as dores e confusões sentidas pelo anônimo. Buscando uma compreensão que ele próprio desconhece.
          Abra a mente, mas deixe o coração bem fechado. Por que não garanto que você terminará a leitura com ele inteiro.
          Eu não sei se a estória é, de fato, verdadeira ou não, mas torce e ainda torço muito, para que ele encontre tranqüilidade no seu mundo perturbado e caótico...



Pontuação

Bom




You Might Also Like

6 comentários

  1. Olá!Tudo bem?

    Gente, vou dizer viu, não sei se teria coragem de ler esse livro. Eu prefiro a ficção, esquecer como esse mundo é tão cruel... Enfim, essa narrativa crua não me cairia bem, mas nunca se sabe.
    Adorei o blog e obrigada pela visita lá no blog, apareçam lá sempre que sentirem vontade!
    Beijocas. Mia

    https://miaestanteliteraria.wordpress.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oiii, Mia!!!
      Muito obrigada pelo seu comentário!
      O livro realmente é bem cruel e objetivo, mas apesar disso eu gosto de temas assim. Sempre me faz refletir sobre a vida e em todas as escolhas que o ser humano é capaz de fazer.

      Adorei seu blog por demais também!

      Ml beijooos!!

      Paloma.

      Excluir

Contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tempestades de Oklahoma

As tempestades a agitavam por dentro, despejavam a energia ao redor e a levavam com elas em um turbilhão de fúria e paixão.
- Nothing Personal (Jaci Burton)

Acessos

Subscribe