[Resenha] Ladrão de Olhos - Jonathan Auxier

09:54

Jonathan Auxier
Tradução: Alice Klesck
Páginas: 424
Editora: Leya

          Peter Nimble é um jovem órfão e cego que aprendeu a sobreviver no mundo do crime. Tratado como um escravo pelo cruel sr. Seamus, todas as noites Peter é obrigado a roubar dos bons cidadãos da cidade e, durante o dia, permanece trancado em um porão, onde sonha com um futuro melhor. Até o dia em que ele rouba um objeto de um misterioso viajante - uma caixa que contém três pares de olhos mágicos. Ao experimentar o primeiro par, Peter é instantaneamente transportado para uma ilha secreta, onde ele terá uma missão especial: resgatar um povo em apuros no perigoso Reino Desaparecido! Peter Nimble, juntamente com seu fiel companheiro - um cavaleiro que foi transformado em uma estranha combinação de cavalo e gato - e com a ajuda dos olhos mágicos, embarcará em uma inesquecível aventura de capa e espada para descobrir seu verdadeiro destino. 

          "Para vocês que nada conhecem sobre crianças cegas, saibam que dão os melhores ladrões. Como bem podem imaginar, crianças cegas possuem um olfato incrível e podem dizer o que está por trás de uma porta trancada - seja tecido fino, ouro ou farelos de amendoim -, mesmo a metros de distância. Além disso possuem dedos pequenos o suficiente para entrar em buracos de fechaduras e ouvidos aguçados o bastante para detectar os mais leves cliques e movimentos dentro do trinco mais complicado. É claro que a era dos grandes roubos há muito se foi; hoje restam poucas crianças ladras, cegas ou não. No entanto, houve uma época em que o mundo estava abarrotado delas. Esta é a verdadeira história do maior ladrão que já existiu. Seu nome, como você provavelmente já adivinhou, é Peter Nimble."
Página 9 e 10


          Peter Nimble foi abandonado, ainda bebê, dentro de um cesto em alto mar e foi resgatado por um grupo de marujos bêbados, mas antes disso, empoleirado em sua cesta, estava um corvo que havia furado seus olhos deixando-o cego. E este é apenas o primeiro desafio que ele teria que enfrentar durante sua vida.

          Sendo deixado para crescer sozinho em uma cidade portuária Peter Nimble, cujo nome vem de uma rima infantil à muito tempo esquecida, precisava de alimentos e roupas, mas sem pais para darem-lhe isso ele acabou recorrendo a um meio bastante utilizado por crianças naquela época: roubar. Mas Peter logo se destacou entre as demais crianças por sua habilidade, mesmo sendo cego, o garotinho conseguia roubar qualquer coisa, mesmo em meio a centenas de pessoas. E essa habilidade acabou chamando a atenção do Sr. Seamus, um homem ganancioso que enganou Peter e o prendeu em um sótão treinando o garoto nas mais diversas habilidades. Habilidades que, claro, tinham a ver com a arte da ladroagem.

          "O menino provou ser um aprendiz veloz e não demorou para dominar as artimanhas da ladroagem, desde corte de janelas até trabalhos avançados com cordas. Aos dez anos, Peter Nimble tornara-se o maior ladrão que a cidade já cira, mas é claro que ninguém de fato o via; restavam apenas cofres aberto e caixas de joias vazias, que ele deixava para trás."
Páginas 14 e 15

           Em uma de suas "visitas" a cidade Peter encontra um vendedor que acaba, praticamente, entregando ao menino uma caixa que continha esquisitos ovos e ao quebrá-los encontrou três pares do olhos mágicos. Ao experimenta-los Peter é transportado a uma misteriosa ilha, lá ele conhece o Professor Cake, um homem que dá a ele uma missão especial: resgatar o povo no perigoso Reino Desaparecido. Com a ajuda de seu fiel escudeiro e amigo Sir Tode, um cavaleiro que fora transformado em uma estranha mistura de gato e cavalo e a quem ele salvara de um afogamento, Peter enfrentará as mais diversas aventuras jamais imaginadas.

          É realmente incrível a imaginação de Jonathan Auxier, o Ladrão de Olhos é uma história fantástica e recheada de aventuras, um conto de fadas estranho e encantador. Apesar de parecer enorme eu li esse gigante, de 424 páginas, em poucos dias - a história é tão surpreendente que eu me via viajando em pensamentos e palavras sem nem notar o tempo passar. Uma leitura de fantasia infanto-juvenil, mas que é paixão assumida de vários adolescentes e adultos.

           O livro é dividido em três partes - Ouro, Ônix e Esmeralda - cada uma em referência a cada par de olhos mágicos. E não consigo decidir qual foi a minha favorita, mas eu realmente adoraria uma continuação do livro. O final deixou aquele gostinho de quero mais, é muito fácil se apegar bastante a história, mas eu não encontrei no site do autor ou em qualquer outro lugar algo que indicasse uma continuação.

          O trabalho da editora Leya na capa e nas ilustrações ficou perfeito, as páginas em um tom cinza deixam o livro ainda mais lindo dando a ideia do período noturno que é quando Peter sai para praticar furtos, as letras do livro são em uma fonte bem grande, o que eu adorei, pois não precisava ficar forçando a vista para ler ele a noite, mas não vou deixar de falar sobre a tradução dele que, em alguns pontos, ficou meio vaga. Eu gosto quando o nome dos personagens é mantido apesar da tradução, mas neste caso o livro deveria conter algumas informações referenciais - eu tive que recorrer várias vezes ao Google Tradutor salvação de muita gente para entender a relação de alguns personagens com os seus nomes.

          E minha opinião final sobre o livro? Você não pode deixar de ler! Com certeza vai ser um dos livros que eu lerei para meus filhos em um futuro distante, caso minha mãe queira saber junto com Harry Potter, Percy Jackson, As Crônicas de Nárnia......

Pontuação:
(Muito Bom)

P.S.: Apesar de atrasada consegui cumprir a leitura de janeiro do Desafio Literário do Uma Janela Secreta (já entrei no mês de tolerância na primeira resenha, que horrível que eu sou -risos-). Agora estou lendo o FEBRE do mês de fevereiro Orgulho e Preconceito, vou me esforçar bastante pra ler ele e fazer a resenha até o dia 28 -risos-.

You Might Also Like

0 comentários

Contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tempestades de Oklahoma

As tempestades a agitavam por dentro, despejavam a energia ao redor e a levavam com elas em um turbilhão de fúria e paixão.
- Nothing Personal (Jaci Burton)

Acessos

Subscribe