[Resenha] A Seleção - Kiera Cass (A Seleção #01)

Kiera Cass
Tradução: Cristian Clemente
Páginas: 368
Editora: Seguinte


          "Para 35 garotas, a Seleção é a chance de uma vida. É a oportunidade de ser alcançada a um mundo de vestidos deslumbrantes e joias valiosas. De morar em um palácio, conquistar o coração do belo príncipe Maxon e um dua ser rainha. Para America Singer, no entanto, estar entre as selecionadas é um pesadelo. Significa deixar para trás o rapaz que ama, abandonar sua família e seu lar para entrar em uma disputa ferrenha por uma coroa que ela não quer e viver em um palácio sob a ameaça constante de ataques rebeldes. Então America conhece pessoalmente o príncipe e percebe que a vida com que sempre sonhou talvez não seja nada comparada ao futuro que nunca tinha ousado imaginar."


"Não queria ser da realeza.
Não queria se Um.
Não queria nem tentar."



           O mundo mudou, depois da quarta Guerra Mundial um novo país nasceu: Illéa, liderada por uma governo monarca. A sociedade também não é mais a mesma: ela foi dividida em castas numeradas de um à oito, sendo a um a nobreza e a oito o nível mais baixo que alguém poderia chegar.
          O Príncipe Maxon Schreave chegou a idade de 19 anos, isso significa que ele terá que escolher uma esposa. Para essa "escolha" serão selecionadas aleatoriamente 35 garotas, filhas de Illéa entre dezessete e vinte anos, para que uma delas se case com o príncipe e futuramente se torne uma rainha.
          America Singer é uma garota da casta cinco, uma artista, e está vivendo um romance escondido com seu amado Aspen, que é da casta seis - inferior a sua, sendo assim proibido por lei. Quando a Seleção é anunciada a mãe de America insiste para que ela se inscreva apenas pela chance que eles teriam de melhorar de vida. Então, mesmo contra sua vontade, América se inscreve para A Seleção certa de que nunca seria escolhida. Como ela estava errada.
          Após saber que America havia sido selecionada Aspen decide terminar o romance para que ela  tentasse sua chance de ganhar o coração do príncipe e ter uma vida que ele mesmo nunca poderia dar a ela. America vai para o palácio, sem a menor vontade de competir pelo coração do príncipe. O que ela esperava era um rapaz arrogante e mimado, por ter sido criado como "um", mas se surpreende ao encontrar um príncipe educado, gentil e engraçado e então firma um acordo com ele: ela irá ajudá-lo a encontrar a garota certa para ser sua rainha, desde que ele a mantenha ali pelo tempo que for possível.




          A Seleção é um misto de distopia com conto de fadas, extremamente fluido foi uma leitura rápida e cativante. Embora alguns aspectos do mundo distópico tenham sido mostrados, nada foi profundamente explorado nesse livro, ficando resguardado a segundo plano. O romance ficou em maior destaque, o triangulo de Maxon, America e Aspen nos acompanha como tema central, deixando o leitor dividido sobre qual lado escolher.
          Um tanto clichê, mas com cenas inesquecíveis, o enredo e os personagens são encantadores e fáceis de se apegar. America é uma personagem forte e feminina, suas angústias em relação a família e sua situação atual são compartilhadas conosco de forma sensível. Maxon é o destaque de fofura deste livro, sua afeição e gentileza em relação as selecionadas, principalmente sobre America, nos conquista de modo fácil. Aspen é um personagem encantador, que me afeiçoou por conta das decisões que tomou para o bem da pessoa que amava, espero ter algo mais dele no próximo livro.
          As relação no livro também são algo a ser notado, a amizade e os laços que são formados entre as selecionadas e a outros funcionários do palácio; a tensão em relação aos rebeldes, cidadãos de Illea que não concordam com o governo, e fazem constantes ataques ao castelo. Todos aspectos que prometem muito desenrolar nos próximos livros da trilogia.


Pontuação





0 Comentários