[Resenha] Coraline - Neil Gaiman

13:55

 - Porque - disse ela - quando você tem medo e faz mesmo assim, isso é coragem.

Neil Gaiman
Tradução: Regina de Barros Carvalho.
Ilustração: Dave McKean.
Páginas: 160.

           "A história de Coraline é de provocar calafrios. A narrativa dá muitas voltas e percorre longas distâncias, criando um ‘outro’ mundo onde todos os aspectos de vida são pervertidos e desvirtuados para o macabro. Ao mesmo tempo sutil e cruel, o autor gosta de desafiar as imagens simples dos livros infantis tradicionais. No livro, a jovem Coraline acaba de se mudar para um apartamento num prédio antigo. Seus vizinhos são velhinhos excêntricos e amáveis que não conseguem dizer seu nome do jeito certo, mas encorajam sua curiosidade e seu instinto de exploração. Em uma tarde chuvosa, a menina consegue abrir uma porta que sempre estivera trancada na sala de visitas de casa e descobre um caminho para um misterioso apartamento ‘vazio’ no quarto andar do prédio. Para sua surpresa, o apartamento não tem nada de desabitado, e ela fica cara a cara com duas criaturas que afirmam ser seus “outros” pais. Na verdade, aquele parece ser um “outro” mundo mágico atrás da porta. Lá, há brinquedos incríveis e vizinhos que nunca falam seu nome errado. Porém a menina logo percebe que aquele mundo é tão mortal quanto encantador e que terá de usar toda a sua inteligência para derrotar seus adversários." 
          
          Coraline se acaba de se mudar para um apartamento de uma antiga casa, com 22 janelas e 14 portas, que por ser muito grande, é dividida com os três moradores, a Sra. Forcible e Sra. Spink no primeiro andar com seus terriers escoceses e, no terceiro andar, o velho maluco com bigodes enormes que está treinando um circo de ratos. Por ser uma exploradora, Coraline logo começa a "investigar" as coisas por fora da casa, mas em um dia de chuva, em sua exploração pela casa, ela descobre uma porta que está bloqueada por tijolos. Até aí, tudo bem, mas se em um certo dia ela abrisse a porta, e esta, desse para um escuro e frio corredor? É aí que começa a aventura de nossa corajosa Coraline.
          Os pais de Coraline são pouco presentes na vida da menina, principalmente seu pai, mas ao atravessar aquele corredor ela se depara com uma casa idêntica a sua e pais idênticos ao seus, exceto pelos olhos, que no lugar são costurados botões. Esses outros pais prometem a Coraline todo amor e brinquedos que ela nunca teve, mas em troca, ela deve deixar sua "outra mãe" costurar botões em seus olhos. Ao negar a proposta e voltar para sua casa de verdade ela descobre que seus pais sumiram e ela terá que voltar aquele lugar para salvá-los.
          Inacreditável, incrível e assustador, é difícil descrever a genialidade de Neil Gaiman. Desde As Crônicas de Nárnia, nenhuma porta havia me levado a um mundo tão surreal. Neil consegue te prender com uma narrativa espetacular, que surpreende a cada página e te faz tremer de medo a todo momento. E as ilustrações de Dave McKean tornam o livro ainda mais assustador e impressionante.


"- E, por fim, é sempre mais fácil ter medo de uma coisa que não se pode ver."

          "Livro para criança? Só se a criança for filha do Tim Burton".  

Pontuação
.::Recomendo::.

You Might Also Like

2 comentários

  1. Oi Leoana!Eu não sabia do livro (shame on me)!Eu vi o filme e gostei muito,parece que o livro é melhor ainda!!Vou comprar ele logo logo (provavelmente vou ler em PDF porque ser pobre é assim mesmo).
    Um beijão!
    Luíza.
    http://umlivroemummilhao.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lu, o livro é realmente bem legal. Só depois de lê-lo que eu entendi porque tantas pessoas simplesmente amam Neil Gaiman. Foi uma experiência meio tensa, recomendo não ler ele a noite, vai que alguma coisa puxe no seu pé.............. brink's kkkkkkkk. Beijos e obrigada.

      Excluir

Contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tempestades de Oklahoma

As tempestades a agitavam por dentro, despejavam a energia ao redor e a levavam com elas em um turbilhão de fúria e paixão.
- Nothing Personal (Jaci Burton)

Acessos

Subscribe